AURICULOTERAPIA

AURICULOTERAPIA CHINESA

INTRODUÇÃO

A auriculoterapia é uma técnica terapêutica que trata disfunções e promove analgesia através de estímulos em pontos reflexos na orelha externa ou no pavilhão auricular.
Visa também harmonizar as funções doa Zang/Fu (órgãos e vísceras) e das enfermidades físicas e mentais promovendo um tratamento de saúde, aproveitando o reflexo que a aurícula exerce sobre o sistema nervoso central
A orelha externa é um dos vários microssistemas do corpo humano, assim como as palmas das mãos, as plantas dos pés, o crânio, as regiões laterais da coluna vertebral. Na escola chinesa o pavilhão auricular possui mais de 200 pontos para tratamento, na escola francesa, possui cerca de 30 pontos.
Ao efetuar a sensibilização desses pontos por agulhas de acupuntura. O cérebro recebe um impulso que relacionado com a área do corpo produz o tratamento.
Essa técnica  é amplamente conhecida e praticada no ocidente principalmente na frança, estudos de acupuntura auricular ganharam grande impulso e vários pontos novos, bem como técnicas de tratamento foram desenvolvidas nesta área.
Segundo Marcelo P. de Souza, 2001, quando se associa a técnica de terapia auricular com acupuntura, obtém – se a dinamização do processo de equilíbrio e cura. O uso da auriculoterapia é compatível com todas as demais formas de tratamento.
A energia que nutre a orelha pode penetrar nela diretamente por meio dos pontos de acupuntura do canal unitário Shao Yang (Triplo Aquecedor) e Dan (Vesicula Biliar), bem como canal principal Gan (Figado), por outro lado á orelha representa a “abertura” sensorial do Shen (Rins) e é fundamentalmente dependente do Qi desse zang.

 

 

ANATOMIA AURICULAR
O pavilhão auricular é composto principalmente por um tecido de cartilagem elástica, alguns tecidos adiposos e linfáticos e é recoberto externamente pela cútis. Na região da hipoderme há uma rede rica de nervos, vasos sanguíneos e linfáticos.
A orelha externa possui reentrâncias e saliências cartilaginosas. As partes cartilaginosas mais profundas possuem pontos que estão relacionados aos órgãos internos e as partes cartilaginosas protuberantes possuem pontos que estão relacionados principalmente á estrutura óssea do corpo humano.

1 - As partes das orelhas são:

- Lóbulo 
- Hélix
- Ramo da Hélice
- Anti – helix
- Ramo superior da anti – helix
- Ramo inferior da anti – helix
- Escafa
- Fossa Triangular

- Concha Cimba (parte superior)
- Concha Cava (parte inferior)
- Trago
- Antítrago
- Incisura supratrágica
- Incisura intertrágica
- Incisura do antítrago
- Dorso

Estruturas Anatômicas do Pavilhão Auricular

1 – Vascularização
As artérias que irrigam o pavilhão auricular procedem da artéria temporal superficial e da artéria auricular posterior. A artéria temporal superficial se ramifica para frente do conduto auditivo externo em três ramos: superior, media e inferior, as quais irrigam fundamentalmente a face anterior do pavilhão. A artéria auricular posterior, também se ramifica em três desde a raiz inferior da orelha, para desta maneira irrigar o lado posterior do pavilhão.

2 – Vasos Linfáticos
Os linfáticos da parte anterior do hélix e do trago passarão ao gânglio parotídeo pré – auricular. Os da face anterior do pavilhão e os que nascem em sua face posterior, são tributários dos gânglios mastóideos, parotídeo e subesternomatóideo.

3 – Músculos
São divididos em intrínsecos e extrínsecos, mas todos são estruturas rudimentares em vias de regressão e não tem nenhuma ação sobre o pavilhão da orelha.

4 – Inervação

São abundantes os nervos que inervam o pavilhão auricular e, de acordo com sua origem, podem ser divididos em nervos espinhais, nervos cerebrais e nervos simpáticos.

Os nervos espinhais são os nervos auricular maior e occipital menor que comandam a atividade do tronco e dos quatros membros, os movimentos musculoesqueléticos e o movimento dos órgãos e das vísceras.
Os nervos cerebrais são os nervos auriculotemporal, responsável pelos movimentos de deglutição e sensibilidade da face e da cabeça, como também se relaciona com a medula espinhal; e o auricular nagô, de onde saem ramos que vão controlar o centro respiratório, o centro cardíaco, o centro vasomotor, o centro das secreções salivares e o movimento dos músculos superficiais da face e da região das adenóides.

Mecanismo de Ação da Auriculoterapia

O estimulo auricular, pela agulha, leva a uma ação de uma série de reflexos condicionados. Os pontos auriculares integram um circuito com capacidade racional, formando uma teia de ligações dentro do córtex cerebral. Insto explica os reflexos longos  hipodiencefálicos e corticoencefálicos que terminam por agir sobre a formação reticulada do sistema nervoso central. Com isso ocorre uma melhora sensível do tônus de sistema nervoso e da reatividade do sistema neurovegetativo.
Um estimulo auricular, mesmo sendo débil, acelera uma serie de reflexos que provocam reações imediatas ou demoradas, temporárias ou permanentes, passageiras ou definitivas, todas elas de natureza terapêuticas.
O efeito é imediato. O estimulo leva o cérebro a agir sobre todos os órgãos, membros e suas funções, equilibrando e harmonizando o organismo, provocando assim a eliminação dos males que acometem o individuo.
A orelha também possui uma relação com os doze meridianos de acupuntura sistêmica. Seis tem relação direta com a orelha: Triplo aquecedor, Intestino Delgado, Estomago, Vesícula Biliar, Bexiga, e Circulação – Sexo. Os demais, Intestino Grosso, Pulmão, Coração, Rim, Fígado, e Baço Pâncreas estão relacionados indiretamente com a aurícula através dos meridianos de ligação e vasos maravilhosos. Desta maneira, o estimulo auricular atinge todas as regiões do organismo, da mesma forma que a alteração de algum órgão ou víscera reflete na orelha.

- Pontos Auriculares
Os pontos auriculares podem ser classificados de acordo com a sua função ou utilização nos seguintes tipos:

- Ponto de zona correspondente
Estes pontos são representantes da anatomia corporal dentro do pavilhão auricular, razão pela qual, recebem o nome da zona articulação, membro ou órgão que representam. Estes pontos tem características de tornarem – se reativos ante um processo patológico em sua zona correspondente, podendo abranger um ponto especifico ou uma zona determinada do pavilhão auricular. Podemos definir os pontos auriculares como zonas dentro das quais localizam – se os pontos.
Os pontos das zona correspondente são de primeira escolha no tratamento de enfermidades dolorosas, como cervicalgias, dores nas costas, periartrite do ombro, dores na articulação do joelho, lombalgias, dor no calcâneo, etc.

- Pontos dos cinco Zang e seis Fu
De acordo com a teoria dos Jing Luo e Zang Fu, são classificados onze pontos no pavilhão auricular que representam os órgãos e vísceras. Estes pontos são coração, fígado, baço, pulmão, rim, intestino grosso, intestino delgado, vesícula biliar, bexiga, estomago e San Jiao. Estes 11 pontos também podem ser denominados como pontos da zona correspondente, mas diferem, no fato de que os mesmos representam não só a anatomia do Zang ou do Fu, como também, sua função energética e fisiológica.

- Pontos do sistema nervoso.

Os pontos do sistema nervoso não somente representam, em nível de estruturas, partes do sistema nervoso (como o cérebro, tronco cerebral, tálamo simpático, ciático, etc.), como também representam determinadas atividades excitadoras ou repressoras do sistema nervoso, como no saco dos pontos Shen Men e excitação. Em outros casos, os pontos são denominados segundo a
desordem do sistema nervoso que tratam, como no caso do ponto e área de neurastenia.

- Pontos específicos

Como pontos específicos, classificam – se aqueles que tem uma determinada função diagnostica e terapêutica.
São 10 os pontos específicos na auriculoterapia, estes pontos tem importantíssimo papel no diagnostico clinico e tem ampliado os resultados terapêuticos no tratamento. Os pontos específicos são:
- Hipotensor; Hipertensor; Hepatite; Constipação; neurastenia; ansiedade; asma; calor; sede; fome.

- Pontos do dorso da orelha

No dorso da orelha foram localizados desde 1888, pontos representativos dos cinco Zang: ponto coração, fígado, baço pulmão e rim. Estes pontos guardam estreita relação com os pontos da face anterior do pavilhão. Por exemplo, o ponto baço do dorso do pavilhão encontra – se diretamente em oposição com o ponto do estomago da face ventral; o ponto fígado dorsal encontra – se em direta oposição com o ponto fígado ventral; o ponto pulmão dorsal está em direta oposição com o ramo superior da zona do pulmão pela parte ventral; o ponto coração dorsal esta diretamente atrás do ponto Shen Men, o que justifica o principio tradicional de que “o coração armazena a mente”; o ponto rim, localizado no dorso do pavilhão, guarda estreita relação com o  ponto cérebro da face anterior do mesmo, o que justifica o principio que “o rim gera a medula e o cérebro é o mar da medula”.
O dorso da orelha apresenta um sulco. O sulco é denominado sulco hipotensor.

Diagnóstico

O diagnostico é uma indicação, em qualquer tipo de medicina, para tratamento de qualquer parte do corpo através dos sintomas que o paciente apresenta. A medicina chinesa procura ver o individua como um todo. Procura – se na medicina chinesa, chegar á origem de um determinado sintoma e trata – lo para que o paciente fique livre não apenas dos sintomas, mas, o mais importante á causa.
A auriculoterapia usa tanto os diagnósticos clínicos como os alternativos para seus programas de tratamento, faz uso, também de uma técnica denominada “aurículo - diagnóstico”.
Aurículo – Diagnóstico: Quando um órgão ou suas funções apresenta algum distúrbio, a area auricular correspondente sofre uma alteração pigmentar, apresentando manchas, tubérculos, vascularizações, e secura sebácea. São sinais característicos da existência de desequilíbrio. Os pontos auriculares correspondentes se tornam extremamente sensíveis ao toque ou a aplicação de agulhas.

- Método de Diagnóstico Auricular.
1 – Diagnostico através da observação.
 2 - Diagnóstico através dos pontos dolorosos á pressão.
3 – Diagnóstico através da marca deixada á pressão.
4 – Diagnóstico através da palpação.
5 – Diagnóstico através da exploração elétrica.
6 – Método computadorizado.

- Metodo sintetizado de diagnóstico auticular.
a-) Observação.
b-) Palpação.
c-) Exploração elétrica.
d-) Diferenciação de síndromes.

Nestas quatro etapas ficam resumidos todos os métodos diagnósticos antes mencionados.

a-) Observação:
Ao chegar o paciente á consulta, o primeiro passo que realizamos é a observação do pavilhão auricular para conhecer o lugar onde aconteceu o processo patológico e a etapa de desenvolvimento do mesmo, servindo de antessala para realizar a palpação.

b-) Palpação:
Através da palpação de determinados pontos dolorosos mais sensíveis, associando a palpação á observação da coloração das marcas que ficam após o exame dos pontos com um instrumento explorador, poderemos determinar o caráter crônico ou agudo da enfermidade.
O método de palpação é muito importante na pratica clinica já que nele ficam reunidos os quatro métodos diagnósticos seguintes:

- Diagnostico através do ponto doloroso á pressão.
- Diagnóstico através da marca deixada pela pressão.
- Diagnóstico através da palpação, usando a ponta dos dedos.
- Diagnóstico através da palpação, usando a ponta romba do lápis explorador.

c-) Exploração elétrica:
Com este método obtêm – se as reações positivas do ponto através das variações auditivas ou visuais do instrumento elétrico usado. Podemos combinar a palpação com a exploração elétrica, podendo – se obter, em uníssono, os dados diagnostico que brindam ambos os métodos.

d-) Diferenciação de síndromes:
Através da informação obtida pelos métodos de observação, palpação, exploração elétrica, combinamos com a historia da enfermidade e os princípios da fisiopatologia, tanto ocidental como, tradicional, podemos elaborar um diagnóstico nosológico e aplicar uma terapêutica adequada.

1 – Exame de Superfície Auricular
O exame da superfície da orelha é o mais importante dentro da auriculoterapia. A duas orelhas deverão ser examinadas e o dedo polegar e indicador deverão ser usados na manipulação das mesmas. De modo sucinto, podemos dizer que a orelha presta – se ao diagnostico através das marcas, da sensibilidade, da profundidade das marcas, da sensibilidade, da profundidade da marca ao pressionar – se o apalpador e da exploração elétrica.


Existem pelo menos dois métodos de se examinar a orelha:

A – através da inspeção, para se observar
- a posição e as alterações de cores
- os pontos de escamação
- as manchas
- as dilatações de vasos
- os pontos com exantema
- a oleosidade.

B – através da pressão
- localizamos pontos de dor
- observamos alterações de cor
À orelha não dever ser lavada ou manipulada abres do exame, mas ser limpa só após o mesmo, quando as áreas com alterações já tiverem sido marcadas pela pressão. Deve – se distinguir a coloração que é provocada por afecção daquela que apresenta a diferença na pigmentação da pele. Através da pressão sobre as colorações diferentes, sabe – se quando a “mancha” não indicativa de lesão ou de determinado órgão ou víscera, pois a cor não se altera. Caso a cor se altere, o ponto deve ser considerado para tratamento.

2 – As variações de cor


A – Cor vermelha
- Tom claro: indicativo que a doença está no inicio ou que a doença já foi curada, mas está retornando
- Tom médio: sintoma de doença crônica e/ou dor
- Tom escuro: sintoma de doença mais grave.

B – Cor branca ou brilho esbranquiçado
- Formato irregular com elevação: doença crônica, tais como gastrite, doença reumática
- Mancha branca circundada por borda vermelha sem nitidez: geralmente indicativo de doença cardíaca, reumática
- Mancha branca com ponto vermelho no centro: indicativo de doença aguda, tal como gastrite.

C – Cor cinza
- indicativo de tumor (quando aparece e desaparece sob pressão geralmente na região de tumor).

D – Cor marrom
 - provocada por estagnação da energia e do sangue: doença crônica em andamento ou doença crônica, como tumor das glândulas mamárias, que já foi curada, pois a cor marrom leva tempo a desaparecer da superfície da orelha.

  1. - As alterações morfológicas mais freqüentes

A - Ressecamento: da pele indica enfermidade de natureza crônica, exigindo um estimulo de tonificação.

B – Exsudação sebácea: indica enfermidade de natureza sub – aguda: usa – se estímulos de sedação.

C – Sudorese: indica tendências a doença degenerativa: tonificam – se os pontos onde houver esse sinal.

D – Quistos e tubérculos: que são sinais indicativos de patologias aguda que esta ocorrendo ou ira ocorrer em órgãos a que esses pontos se referem. No caso de existência da enfermidade deve – se neste caso fazer sudação nesses pontos. Não havendo assim sintomas, tonificam – se os pontos.

E - Pêlos e escamações:  que indicam o primeiro caso, degeneração senil e o segundo, enfermidade crônica. A conduta é a tonificação dos pontos existentes na área.

  1. – As modificações de sensibilidade são as seguintes

A – Hiperestesia: indicativa de enfermidade agudas ou subagudas. Conduta recomendada neste caso é sedação.

B – Hipoestesia: que indica enfermidade crônica. Neste caso a conduta é a tonificação.

  1. – Interpretação dos sinais mais comuns encontrados no pavilhão auricular

A – Pontos vermelhos: inflamação ou excesso de energia Yang nas regiões correspondentes, torções, tendinites.

B – Pontos brancos: artrite crônica ou insuficiência nos órgãos correspondentes.

C – manchas acinzentadas ou acastanhadas que não mudam sob pressão: metástase de tumor.
D – Manchas senis: envelhecimento ou grande desequilíbrio do elemento metal (pulmão).

E – Rosto pálido e macilento e orelhas vermelhas: desequilíbrio energético envolvendo o sistema nervoso central.

 F – Rosto vermelho e orelhas esbranquiçadas: excesso de energia Yang no coração e desequilíbrio.

G – Rosto e orelhas vermelhos: excesso de energia yang.

H – Orelha translúcidas ou extremamente flexíveis: falta de QI, doença crônica ou estado de convalescença de doença grave.

I – Orelha pálida que não mudam de cor ao serem manipuladas: falta de energia.

J – Orelhas com escamação de pele: envelhecimento, pele ressecada, decadência física.

K – Orelha com pele ressecada e enrugada: doença de pele.

L – Orelha púrpura: estase de fogo no coração.

M – Orelha com abscesso com borda definida, móvel, indolor á pressão: tumor benigno.

N – Orelha com protuberância cartilaginosa com borda definida, imóvel: tumor maligno.

Auriculoterapia e suas Possíveis Reações
Ao iniciar o tratamento manipulando o pavilhão auricular, o paciente pode vir a sentir reações tanto na orelha como no corpo, podendo ser considerado como reações normais e esperadas ou sensações anormais e imprevisíveis.

Reações normais e esperadas:
1 – calor: em pelo menos 80 % dos casos (bom sintoma).
2 – adormecimento: ocorre em percentagem menor (é um sinal de êxito no tratamento);
3 – dor ocorre em quase 100% dos pacientes, caracteriza – se como uma dor forte, profunda, de dentro para fora, as vezes lacitante e em forma de pontada ou fisgada;
4 – dor na orelha oposta ao tratamento;
5 – contraturas: indicativo de afecções do sistema nervoso;
6 – movimento peristáliticos: geralmente: geralmente quando é usado pontos da área gastrointestinal;
7 – sensação de algo passando sobre a pele;
8 – sangria espontânea: em pontos com excesso ou acumulo de QI quando estimulados pela agulha; a sensação é geralmente de alivio imediato para o paciente.

Reações anormais ou inesperadas:
Uma minoria de pacientes apresenta essas sensações ou efeitos colaterais á acupuntura auricular. Os efeitos mais comuns são:
1 – tontura;
2 – palidez;
3 – hipotensão;
4 – sudorese.
Quando tais sintomas ocorrem, deve se encostar o paciente, retirar – lhe as agulhas, der – lhe um pouco de água e conversar e acalma - lo. Caso os efeitos colaterais sejam mais pronunciados, o acupuntor deverá retirar as agulhas imediatamente, colocar o paciente em posição horizontal, com  cabeça mais baixa do que o corpo, e aplicar – lhe agulhas nos pontos, occipital, adrenal, coração e subcórtex.

Materiais e Técnicas Utilizadas
1 – Materiais:
- palpador;
- algodão;
- álcool 70%;
- micropore;
- tesoura;
- agulha sistêmica;
- agulha semipermanente;
- esferas de ouro, prata, aço e cristal;
- sementes de mostarda;
- laser;
- aparelho de eletro – estimulo e localizador de pontos.

2 – Técnicas:
Devemos considerar três elementos fundamentais na auriculoterapia antes de iniciar o tratamento, um bom diagnostico, localização dos pontos e a assepsia da orelha a ser tratada. Sabe – se que cada pessoa tratada tem um formato de orelha diferente, sendo assim o terapeuta deve localizar os pontos através das marcas, sensibilidade ou até mesmo utilizar aparelhos elétricos. Feito isso dar inicio com assepsia do pavilhão auricular com algodão embebido em álcool de preferência 70%, pois caso seja usado às agulhas semipermanentes, será mais fácil mantê–las por mais tempo fixas no pavilhão auricular e também para evitar infecções. Após a assepsia o acupuntor devera escolher entre as diversas técnicas para o tratamento.

- Métodos de agulhas sistêmicas
De acordo com Professor Marcelo Pereira de Souza, ao usar – se agulha de acupuntura sistêmica, a profundidade da inserção sedara ou tonificara o ponto.
Se o acupuntor desejar tonificar o ponto deverá inserir apenas 1,5 mm da agulha.
Em relação ao tempo de permanência, as agulhas não devem permanecer mais de 20 ou 30 minutos, dependendo da tolerância do paciente e do limiar de dor suportado pelo mesmo. Às vezes torna –se necessário retirar – se uma ou duas agulhas antes de retirar todas elas para que o paciente possa ter sua dor aliviada. A aplicação correta das agulhas proporcionará ao paciente uma sensação de calor, ardor e pressão. Ou pode ocorrer a sensação de frio local. Seja qual for à reação, sabe–se que o tratamento esta se processando. Se o paciente não apresentar qualquer resposta ao estimulo da agulha, significa que ele esta com uma deficiência muito grande de QI e que dificilmente o tratamento terá sucesso. Ao obter – se uma resposta positiva do pavilhão auricular, o acupuntor deverá girar as agulhas em ângulos de 120 a 180 graus e o órgão afetado deverá reagir, mostrando novamente que o tratamento terá o resultado esperado.

- Método de colocação das agulhas semipermanentes
Método bastante utilizado. As agulhas semipermanentes, hoje são mais usadas na auriculoterapia do que as agulhas sistêmicas. As agulhas semipermanentes são descartáveis e oferecem uma vantagem, elas poderão ficar com as agulhas no local até sete dias, usufruindo o tratamento durante todo esse tempo. De acordo com o Prof. Marcelo, quando se fala em agulhas semipermanentes, que tem cerca de 2 mm, é o tempo de permanência das mesmas que trará o resultado desejado, não a profundidade ou o ângulo de inserção. Faz se necessário avisar ao paciente após colocar o micropore, que ele deverá pressionar as agulhas pelo menos quatro vezes ao dia para estimular os pontos. Ele deverá saber que o calor dos dedos e ou a energia dos mesmos, poderá ser passada para o ponto que está sendo trabalhado, através do contato, estimulando o fluxo de energia para a parte do corpo que possa deficiência de QI.
A agulha pode ficar de 3 a 7 dias e o paciente deve apertar os pontos de 3 a 4 vezes ao dia.

- Método de tratamento de colocação de sementes
Este é um método simples, amplamente usado na auriculoterapia e muito desenvolvido nos últimos tempos por suas vantagens operacionais. Ele consiste na seleção de materiais esféricos, De superfície lisa, que realizem pressão sobre os pontos auriculares. Estes materiais podem ser pequenas pílulas, esferinhas imantadas ou sementes de determinadas plantas. O importante é que tenha uma superfície polida e uma forma mais redonda possível.
As sementes colocadas Np pavilhão auricular podem permanecer por um período de 3 a 7 dias, dependendo da enfermidade tratada.
Todos os dias o paciente deve estimular as sementes, três a cinco vezes, automassageando as orelhas. Cinco sessões de tratamento constituem um ciclo e entre cada ciclo de tratamento deve haver um descanso de um ou dois dias, ou de uma ou duas semanas antes de começar um novo. Isso dependerá do tempo de evolução da enfermidade, assim como da resposta obtida com o tratamento.

1) Aspectos a se considerar.
- Deve  - se evitar molhar os esparadrapos uma vez colocados na orelha. Ao serem umedecidos, a força do estimulo diminui, além disso,  podem ser criadas condições propicias para infecções cutâneas.
- No verão o método de colocação de sementes deve ser aplicado com menos freqüência, devido ao incremento de da sudorese e da secreção sebácea própria do paciente. O período de permanência das sementes no pavilhão auricular não deve ser extenso.
- Se no pavilhão auricular houver  tumefação ulceras ou inflamação, não deve ser realizado a auriculoterapia.
- Durante a gravidez devem – se evitar os pontos que promovem contrações uterinas.

- Métodos de tratamento por sangria.
Esse método consiste no uso de agulhas filiformes ou lancetas para realizar picadas em pontos específicos do pavilhão auricular com o objetivo de fazer sangrar.
É utilizado desde a antiguidade para eliminar o acumulo de calor patogênico que provoca febre alta e convulsão. Também é usado para tratar as dores causadas por estagnação de sangue, as cefaléias, vertigens e visão turva provocada por ascensão do Yang do fígado.
A sangria é um método que ajuda a comunicar e drenar os canais e colaterais, eliminar a estagnação e facilitar a circulação do sangue, acalmar e eliminar o calor, é um método antiinflamatório e analgésico.

- Pontos de sangria:
a – Sangria do ápice da orelha:
Apresenta seis funções fundamentais: antipirética, antiinflamatória, sedante, hipotensora, antialérgica e clareia a mente e a visão. Portanto é muito usada para febre alta, processos inflamatórios, alergias, hipertensão, cefaléia e choque, etc.

b – Sangria em ponto Yang do fígado:
É usada para tratar os sintomas da ascenção do Yang do fígado, como tontura, visão turva, zumbidos etc.

c – Sangria no ápice do trago:
Tem função antipirética, antiinflamatória, sedante e analgésica. É usada no tratamento de enfermidades inflamatórias agudas e crônicas, como na febre produzida por resfriado.

d – Sangria no sulco hipotensor:
Trata a hipertensão, a cefaléia e a tontura.

e – Sangria nos pontos do hélix 1 – 6:
Estes pontos tem função antiinflamatória. Tratam as enfermidades dolorosas ao nível da região onde estes estão localizados.

- Método de tratamento com moxa
Neste método, busca – se aquecer o pavilhão auricular, conseguindo desta maneira o tratamento de determinados tipos de enfermidades.
A moxa na auriculoterapia tem a função de aquecer os canais e tirar o frio, comunicando os colaterais. Este método é muito usado no tratamento de síndromes por deficiência, por frio e em enfermidades dolorosas.

Funções e localização dos pontos auriculares

1 – Funções dos pontos no lóbulo da orelha

1 – Dente: odontalgia, analgesia.
Localização: este ponto encontra – se no centro da zona 1 do lóbulo.

2 e 3Palato superior e inferior: analgesia dentaria inchaço das gengivas, rigidez na articulação temporomadibular, úlcera na boca, inchaço das glândulas linfáticas; analgesia para extração de dentes.
Localização: o palato superior localiza – se sobre a linha que une as zonas 2 e 3, sobre o quarto inferior da mesma. Dividindo – se em três partes iguais o bordo superior da zona 2 do lóbulo, o ponto se localiza no primeiro terço desta linha.

4 – Língua: glossite, afasia nervosa.
Localização: Traçando uma linha entre o ponto paladar superior e inferior, o ponto localiza – se no centro desta linha.

5 e 6 – Maxilar e Mandíbula: odontalgias, ATM, neuralgia do trigêmeo, bruxismo
Localização: o maxilar encontra – se no centro da zona 3 do lóbulo, a mandíbula encontra – se no centro da linha superior da zona 3 do lóbulo.

7 – Neurastenia: estados de neurastenia e transtornos do sono (pesadelos, sono leve).
Localização: no centro da zona 4 do lóbulo.

8 - Olhos: distúrbio dos olhos.
Localização: encontra – se no centro da zona 5 do lóbulo da orelha.

9 – Ouvido interno: vertigem, tinidos e surdez, labirintite.
Localização: encontra – se no centro da zona 6 do lóbulo.

10 – Amígdala: amigdalite, faringite.
Localização: encontra – se no centro da zona 8 do lóbulo.

11 – Região da face: paralisia facial, espasmos músculos faciais, neuralgia do trigêmeo, parotidite.
Localização: Esta área se distribui nas zonas 3, 5 e 6 formando um óvulo de maneira obliqua.

12 – Ansiedade: tratamento de ansiedade.
Localização: no centro da zona 7 do lóbulo.

2 – Funções dos pontos antítrago.
1 – Parótida: obstrução dos ductos da parótida; eficaz no alivio dos sistemas do prurido de vários distúrbios da pele.
Localização: na ponta do antítrago.

2 – Asma: ponto correspondente ao problema.
Localização: do lado externo do anti-trago, 2 mm abaixo do ponto parótida.

3 – Temporal: cefaléia temporal, cefaléia vasculogênica, vertigem, lassitude.
Localização: na face externa do anti–trago, por baixo do ponto asma, no centro da linha em forma de arco.

4 – Frontal: cefaléia da região frontal, rinite.
Localização: na face externa do anti–trago, no extremo Antero – inferior da linha em forma de arco.

5 – Occipital: para desordens neuropsiquiátricas e sintomas devidos á irritação da meninge, convulsões, trismo, rigidez da nuca, psicose, prevenção de enjôo marítimo, para distúrbios de pele e dos olhos, dor, coma.
Localização: na face externa do anti–trago, no extremo postero – superior da linha em forma de arco.

6 – Vértex: cefaléia no vértex.
Localização: do lado externo do anti – trago, 1 mm abaixo do ponto accipital.

7 – Hipófise: afecções causadas por transtornos da hipófise (alteração hormonal).
Localização: no bordo superior do anti–trago, próximo á fossa superior do anti – trago.

8 – Ponto do cérebro: regula a excitação ou inibição do córtex cerebral, distúrbios do sistema nervoso, digestório, endócrino e urogenital e hemorragias.
Localização: no lado interno e superior do anti–trago.

9 – Área de Neurastenia: tratamento de neurastenia, alteração do sono.
Localização: bordo externo do antítrago, por trás do ponto occipital e vertéx.

10 – Tálamo: localização do hipotálamo; regula fisiologia dos órgãos internos.
Localização: no lado interno do antítrago, no extremo interno de uma linha traçada entre os pontos parótida e pulmão.

11 – Ponto excitação: estimula o córtex cerebral.
Localização: no lado interno do antítrago, entre os pontos testículos e tálamo.

12 – subcórtex: regula a excitação e a inibição do córtex cerebral, para insônia, lassitude e outras desordens neuropsíquicas, inflamação, transpiração excessiva e dor.
Localização: no lado interno do antítrago, a meia distancia entre os pontos tálamo e ovário.

 13 – Testículos: disfunção sexual, eczema de escroto e orquite.
Localização: no lado interno do antítrago, 2 mm atrás do ponto parótida.

3 - Funções dos pontos no trago

1 – Ápice do trago: inflamação, febre, hipertensão arterial, dor em geral (sangrar o ponto).
Localização: na metade superior do trago por seu lado externo, por cima da proeminência central do ápice.

2 – Adrenal: estimula as funções da adrenalina e da adrenocorticol; usado nos casos de inflamação, choque, alegria, reumatismo e sintomas sérios de intoxicação resultantes de infecção bacteriana; afeta a dilatação e constricção de vasos sanguíneos, hipertensão ou hipotensão arterial, hemorragia capilar, regula a excitação ou inibição da função respiratória, usado nos quadros de febre e doenças crônicas.
Localização: sobre a metade inferior do lado externo do trago, por baixo da proeminência central deste.

3 – Nariz externo: rinorréia, alergias.
Localização: sobre a face externa do trago, formando um triangulo com os pontos adrenal e ápice do trago.

4 – Ponto do órgão coração: taquicardia, arritmia e outras desordens do coração.
Localização: por cima e por dentro do ponto ápice do trago, na metade da distância entre o ponto sede e o ouvido externo.

5 – Faringite e garganta: faringite e amigdalite.
Localização: na face interna do trago, sobre a metade inferior deste.

6 – Nariz interno: rinite, epistaxe, alergias.
Localização: na face interna do trago, sobre a metade inferior deste.

7 – Auriculo temporal: neralgia do trigêmio.
Localização: entre a laringe - faringe e  nariz interno.

8 – Ponto da fome: alivia a fome, diabetes, compulsão por comida.
Localização: na metade da distancia da linha que une os pontos nariz externo e adrenal.

9 – Ponto da sede: alivia a sede, diabetes, poliúria.
Localização: na metade da distancia da linha que une os pontos nariz externo e ápice do trago.

4 – Funções dos pontos na incisura intertrágica

1 – Endócrino: regula distúrbios da função endócrina, ajuda na função metabólica de absorção excreção; função antialérgica e anti reumática; distúrbios ginecológicos e urogenitais, para disfunção do sistema digestório, distúrbios do sangue e pele.
Localização: na parte mais baixa da incisura, 0,5 mm para dentro.

2 – Vista 1: glaucoma, hipotrofia do nervo ótico, distúrbios abaixo dos olhos.
Localização: no bordo Antero – inferior da incisura.

3 – Vista 2: astigmatismo, conjuntivites e outras desordens oftamológicas.
Localização: no bordo postero – inferior da incisura.

4 – Hipertensor: tratamento da hipertensão.
Localização: no bordo inferior da incisura, entre os pontos visão 1 e 2.

5 – Ovário: menstruação irregular, infertilidade, dismenorréia, desordens ginecológicas evolutivas.
Localização: na incisura, sobre o começo do bordo interno do antítrago.

5 – Funções dos pontos no hélix

1 – Ápice da orelha: ponto da sangria para casos febris, hipertensão, coma hepático, inflamação, analgesia e sedativo.
Localização: encontra – se no ponto mais alto do pavilhão auricular, na ponta que se cria ao dobrar o pavilhão para frente.

2 – Ânus: fissura anal, prolapso anal e prurido anal, hemorróidas.
Localização: encontra – se sobre o hélix, no nível do bordo inferior da cruz superior do anti – hélix.

3 – Genitália externa: disfunção sexual, inflamação escrotal, inflamação peniana, infecções genitais.
Locação: encontra – se sobre o hélix, no nível do ponto simpático.

 4 – Uretra: infecção urinaria enurese.
Localização: localiza – se sobre o hélix, no nível do ponto próstata.

5 – Reto:  disenteria, enterite, prolapso do ânus, fissura anal, hemorróidas, constipação.
Localização: encontra – se sobre o hélix, no nível do ponto intestino grosso.

6 – Yang do fígado: hepatite crônica, ascensão do Yang do fígado.
Localização: este ponto se localiza sobre o tubérculo auricular.

7 – Hélix de 1 -6: função antiinflamatória e antipirética.
Localização: estes pontos distribuem – se desde o tubérculo auricular para baixo até o bordo inferior da curvatura do lóbulo da orelha.

8 – Nervo occipital menor: efeito sedante e analgésico trata espasmos de vasos sangujineos.
Localização: no nível do ponto Yang do fígado, no bordo interno do tubérculo auricular.

6 – Funções dos pontos anti – helix

1, 2, 3 e 4 – Vértebras cervicais, torácicas, lombar e sacro: corresponde á dor ou disfunção da região da coluna vertebral correspondente a cada segmento citado.
Localização: encontram – se sobre o anti -  hélix no sentido do lóbulo para a fossa tringular.

5 – Cóccix: tratamento da coccigodinia
Localização: na união da cruz superior e inferior da anti – hélix.

6 – Pescoço: dor ou limitação de movimento do pescoço.
Localização: encontra – se no nível da região cervical, mas pelo bordo interno do anti – hélix.

7 – Tórax: alterações patológicas dessa região, como: opressão torácica, neuralgia intercostal, angina.
Localização: encontra – se no nível da região torácica, mas sobre o bordo interno do anti – hélix.

8 – Abdome: dor no meio ou baixo ventre.
Localização: encontra se sobre o bordo interno do anti – hélix ao mesmo nível na região sacrolombar.

9 – Ombro: tratamento das cervicalgias, cervicobraquialgias, e dores no ombro.
Localização: no nível da região cervical, mas sobre a parte mais próxima a fossa escafóide.

10 – Músculos lombares: afecções da musculatura lombar.
Localização: sobre a anti – hélix no nível da região lombar, mas no bordo mais próximo a fossa escafóide.

11 – Articulação sacroilíaca: tratamento desta articulação.
Localização: localiza – se na metade da distancia de uma linha traçada entre os pontos sacro e o da articulação do quadril.

12 – Glândulas mamárias: afecções das glândulas mamárias, como mastite aguda.
Localização: este está conformado por dois pontos em representação de cada mama. O ponto que se localiza sobre o anti – hélix entre o ponto tórax e a região das vértebras torácicas representa a mama do lado contrario ao da orelha que se puntura, enquanto que o ponto que se localiza entre as vértebras torácicas e o ponto da região das costelas representa a mama do lado da orelha que se puntura.

13 – Tiróide: disfunção da tiróide.
Localização: encontra – se entre a área do pescoço e o tronco cerebral.

14  - Ponto calor: favorece e incrementa a circulação sanguínea a nível distal.
Localização: na metade da distancia da linha que une o ponto cóccix e o ponto abdome.

7 – Funções dos pontos na raiz da hélix

1 – Ouvido médios: também chamado de ponto zero; regula atividade funcional dos órgãos internos.
Localização: este ponto localiza – se sobre o nascimento da raiz do hélix.

2 – Diafragma: espasmos do diafragma, hemorróidas, prurido, distúrbios hematológicos e desordens hemorrágicas.
Localização: este ponto encontra – se sobre a raiz do hélix, ao nível de conduto auricular.

8 – Funções dos pontos na fossa triangular

1 – Hipotensor: cefaléia hipertensiva, hipertensão arterial.
Localização: encontra – se sobre o bordo interno superior da fossa triangular, próximo ao bordo interno do hélix.

2 – Pelve: dismenorréia, inflamação da cavidade pélvica.
Localização: encontra – se no ponto onde se cruzam á cruz superior e inferior ao anti – hélix por seu bordo interno.

3 – Shenmen: regula a excitação e a inibição do córtex cerebral, efeitos sedativos, analgésico, antialérgico, desordens neuropsiquiátricas, dor, ponto importante para analgesia, hipertensão, todo sistema digestório e circulatório,  antiinflamatório, irritabilidade, nervosismo, e ansiedade.
Localização: encontra – se traçando uma linha entre o ponto hipotensor e o ponto pelve no primeiro terço da mesma.

4 – Hepatite: hepatite aguda e crônica.
Localização: encontra – se na mesma linha que une o ponto hipotensor e o ponto pelve, masno terço superior da mesma.

5 – Útero: distúrbios ginecológicos e obstétricos, disfunção sexual feminina.
Localização: localiza – se na depressão interna e central da fossa triangular. Traçando uma linha entre os pontos genitais internos e pelve, no terço posterior da mesma.

6 – Anexos do itero: tratamento das leucorreias, dismenorréias.
Localização: entre o colo do útero e pelve.

7 – Colo do útero: afecções desta região, como cervicite.
Localização: na linha que une o útero a pelve, no primeiro terço desta linha.

8 – Articulação do coxofemoral: para dor nas articulações dos membros inferiores ou dor nos glúteos.
Localização: encontra – se formando um triangulo entre o ponto da região glútea e o ponto do nervo ciático, mas sobre o bordo inferior da fossa triangular.

9 – Região de constipação: constipação, hemorragia decorrente a hemorróidas.
Localização: encontra – se formando um triangulo com os pontos do nervo ciático e simpático, mas sobre o bordo inferior da fossa triangular.

9 - Funções dos pontos que circundam a raiz do hélix

1 – Boca: úlcera na boca, rigidez na articulação temporomandibular, casos de compulsão alimentar.
Localização: na parte póstero – superior do conduto auditivo externo, no primeiro terço que une o conduto auditivo com a região onde começa a raiz do hélix.

2 – Esôfago: eructação, espasmo funcional da laringe, dificuldade de deglutir devido a nervosismo.

3 – Cárdia: refluxos gastroesofágicos.
Localização: por baixo da raiz do hélix, entre o estomago e esôfago.
Localização: imediatamente por baixo da raiz do hélix ao nível do ponto ouvido central.

4 – Estômago: distúrbios no estomago, úlcera, distensão abdominal, gastrite aguda e crônica, eructação, indigestão, insônia.
Localização: encontra – se o ponto onde desaparece a raiz do hélix.

5 – Duodeno: úlcera duodenal, espasmo pilórico, baixa acidez estomacal.
Localização: encontra – se sobre o bordo superior da raiz do hélix. Ao nível do ponto cárdia.

6 – Intestino delgado: indigestão, enterite, distensão do intestino por gases, distúrbios do coração.
Localização: encontra – se no bordo superior da raiz do hélix, ao mesmo nível do ponto esôfago.

7 – Intestino grosso: disenteria, diarréia, constipação, enterite, hemorróidas, distúrbios do sistema respiratório.
Localização: encontra – se no bordo superior da raiz do hélix, ao mesmo nível do ponto boca.

8 – Apêndice: apendicite aguda e crônica.
Localização: encontra – se sobre o bordo superior da raiz do hélix, ao mesmo nível do ponto boca.

10 - Funções dos pontos da concha inferior (concha cava)

1 – Coração: regula a pressão sanguínea, tonifica o coração, distúrbios do coração, trata estado de choque, usado nos distúrbios mentais, glossite, anemia.
Localização: encontra – se na depressão situada no centro do mesmo da concha cava.

2 – Pulmão: vários distúrbios e alterações no sistema respiratório e da pele, rinite, mutismo, suor noturno, suor espontâneo.
Localização: encontra – se por cima e por baixo do ponto coração, em ambos os lado como se envolvesse o mesmo, o ramo inferior do ponto pulmão é o que coincide com o pulmão do lado da orelha tratada e o ramo que se localiza por cima do ponto coração corresponde ao pulmão do lado contrario.

3 – Traquéia: distúrbios e alterações na traquéia.
Localização: encontra- se no bordo externo imediato do conduto auditivo externo, na metade da distancia entre este e o ponto coração.

4 – Brônquios: bronquite aguda e crônica, asma.
Localização: encontra – se na metade da distancia de uma linha traçada entre o ponto traquéia e o ponto pulmão.

5 – Baço: indigestão, distúrbios sanguíneos – anemia, hipotrofia muscular, fraqueza muscular, prolapso anal, prolapso da víscera, hemorragia uterina disfuncional.
Localização: este ponto localiza – se no bordo supra – externo da concha cava, na metade da distancia de uma linha traçada desde o ponto estomago até a fossa do intertrago.

6 – Triplo aquecedor: regula a energia, acalma a dor, tonifica os órgãos e vísceras.
Localização: encontra – se por baixo do conduto auditivo externo, no bordo interno do anti – trago, na metade da distancia entre o bordo inferior do conduto auditivo e o ponto do subcórtex.

11 - Funções dos pontos na concha, parte superior (concha cimba)

1 – Rim: ponto benéfico ao cérebro, rins, sistema hematopoiético, amnésia, neurastenia, vertigens, cefaléia, lassitude, surdez progressiva, queda de cabelo, distúrbios do sistema urogenital e ginecológico, perda óssea e afrouxamento dos dentes, anemia aplástica, leucemia, edema, faringite crônica, desequilíbrio eletrolítico.
Localização : este ponto localiza – se na pequena cavidade que se forma por baixo da cruz inferior do anti – hélix, ao mesmo nível do ponto pelve.

2 – Próstata: prostatite, micção dolorosa, infecção do trato urinário, hematúria, ejaculação precoce, e espermatorréia.
Localização: este ponto localiza – se no ângulo superior da concha cimba, por baixo da cruz inferior do anti – hélix no lado mais próximo ao bordo interno do hélix.

3 – Bexiga: micção freqüente e urgente, retenção urinaria, enurese, cistite, lombalgia, cervicalgia.
Localização: o ponto localiza – se traçando uma linha desde o ponto próstata até o ponto rim, no primeiro terço da mesma, ao nível do ponto constipação.

4 – Fígado: hepatite aguda, e crônica, distúrbios nos olhos, anemia ferropriva e outras alterações no sangue, neuralgia, cefaléia, dor decorrente artrite, vertigem, gases, e gastralgia, hemiplegia, convulsões, espasmos musculares, cãibras.
Localização: este ponto se localiza no bordo póstero – inferior da concha cimba.

5 – Pâncreas: indigestão, pancreatite, diabetes, colecistite, dor torácica no dorso.
Localização : este ponto localiza – se entre o ponto fígado e o ponto rim, no bordo externo da concha cimba. Este ponto representa na orelha esquerda ao pâncreas e na orelha direita á vesícula biliar.

5 – Vesícula biliar: indigestão, cálculos biliares, nematelminto no canal biliar, flanco estufado, dor de cabeça temporal.

12 – Funções do pontos na escafa

1 – Dedos: dor ou inflamação dos movimentos dos dedos.
Localização: no extremo superior da fossa escafóide.

2 – Clavícula: ponto correspondente.
Localização: encontra – se o centro da fossa escafóide, ao mesmo nível da fossa do intertrago e do ponto coração.

3 – Punho: dor ou inflamação de movimentos dos punhos.
Localização : este ponto é localizado ao dividir a fossa escafóide, desde o ponto falanges até o ponto clavícula, em cinco partes iguais, na união da primeira parte com a segunda, de cima para baixo ao centro da fossa.

 4 – Cotovelo: dor na articulação do cotovelo (cúbito)

Localização: o ponto localiza – se na terceira das cinco partes em que se dividiu a fossa escafóide, contando – se de cima para baixo ao nível do centro da fosse.

5 – Ombro: dor ou limitação de movimentos no ombro.

Localização: localiza – se sobre a quarta divisão das realizadas na fossa escafóide, ao centro da mesma.

6 – Articulação do ombro: dor ou limitação de movimentos do ombro.
Localização: encontra – se entre o ponto ombro e o ponto clavícula.

7 – Região de alergia: distúrbios alérgicos

Localização: localiza – se na metade da distancia entre os pontos falange e articulação do punho.

 

13 – Funções dos pontos na incisura supra – trágica

1 – Ouvido externo: ponto correspondente aos problemas da orelha externa (surdez, hipoacústica, lesões no pavilhão).

Localização: sobre a área que forma a depressão entre a fossa do supratrago e o hélix.

14 – Funções dos pontos do ramo superior da anti – hélix

1 – Dedos dos pés: dor ou limitação de movimentos na área correspondente.
Localização: encontra – se sobre o bordo externo da cruz superior do anti – hélix, na parte onde se insere no bordo interno do hélix.

2 – Calcanhar: dor ou limitação de movimentos na área correspondente.
Localização: encontra – se  sobre o bordo interno da cruz superior do anti – hélix, na parte onde se insere no bordo interno do hélix.

3 – Tornozelo: dor ou limitação de movimentos na área correspondente.
Localização: encontra – se lançando uma linha entre o ponto calcâneo e articulação do joelho, na metade da distancia desta linha.

4 – Quadril: dor ou limitação de movimentos na área correspondente, iniciativa.
Localização: encontra – se no ponto central da área onde começa a cruz superior do anti – hélix.

 5 – Articulação do joelho: afecções desta articulação.
Localização : no centro da cruz superior do anti – hélix.

6 – Joelhos: dor ou limitação de movimentos na área correspondente.
Localização: encontra – se no lado mais próximo á fossa escafóide, no nível do ponto onde começa a cruz superior do anti – hélix.

7 – Fossa poplítea: dor ou limitação de movimentos nas áreas correspondentes.
Localização: se traçamos uma linha entre o ponto articulação do quadril e o ponto Shen Men, o ponto fossa poplítea encontra – se na metade desta linha.

8 – Gastrocnêmio: dor ou limitação de movimentos na área correspondente.
Localização: encontra – se na metade da distancia entre os pontos artelhos e joelho.

9 – Músculo quadríceps: tratamento das alterações na musculatura da coxa.
Localização: a meio caminho entre a articulação do joelho e a articulação do quadril.

15 – Funções dos pontos do ramo inferior da anti – hélix

1 - Região glútea: algias na região glútea, nas articulações sacroílicas e ciatalgia.
Localização: encontra – se sobre o primeiro terço da cruz inferior do anti – hélix.

2 – Nervo ciático: ciatalgia.
Localização: encontra – se sobre o terço central da cruz inferior do anti – hélix.

3 – Simpático: para diversos distúrbios relacionados a alterações e disfunções do sistema nervoso autônomo (tanto simpático e parassimpático) é um ponto importante para analgesia, transpiração excessiva, ponto relaxante principalmente nos órgãos internos, inflamação, dilata vasos sanguíneos (regulariza funções), atua no alivio da dor associada ás úlceras, calculo biliar e uretral.
Localização: encontra – se sobre o terço interno da cruz inferior do anti – hélix onde esta se insere no lado interno do hélix.

16 – Funções dos pontos na fossa superior do antítrago

1 – Tronco cerebral: desordens dos vasos sanguíneos cerebrais e das meninges, seqüelas de coma, desenvolvimento incompleto do cérebro.
Localização: no bordo superior da fossa intertragica.

2 – Laringe – dente: problemas odontológicos e infecções da laringe.
Localização: logo abaixo do tronco cerebral.

17 – Funções dos pontos localizados na parte posterior da orelha

1 – Sulco hipotensor: hipertensão arterial (fazer sangria), dores de cabeça.
Localização: por trás da cruz superior e inferior do anti – hélix, na depressão que se forma.

2 – Região correspondente a supero – posterior: dos nas costas, lumbago, enfermidades da pele.

Localização: na proeminência postero superior que forma a raiz superior do pavilhão.

3 – Região correspondente médio posterior: dor nas costas, enfermidades na pele, tosse, pigarro, falta de ar.
Localização: na parte média da linha que une a raiz superior e a inferior do dorso da orelha.

4 – Região correspondente ínfero – posterior: dores intercostais, enfermidades da pele, falta de ar.

Localização: no ponto onde se insere o lóbulo da orelha com a face.

5 – Ponto coração do dorso da orelha: tratamento de palpitações, insônia, sonhos excessivos.

Localização: atrás do Shen Men.

6 – Ponto baço do dorso da orelha: tratamento de gastrite, úlcera, anorexia.
Localização: na área central do dorso da orelha.

7 - Ponto rim do dorso da orelha: tratamento de cefaléias, vertigens, neuroses.
Localização: atrás do ponto cérebro.

8 - Ponto fígado do dorso da orelhas: tratamento de colecistite, alterações hepáticas.

Localização: na parte central do dorso da orelha, mas por fora do ponto baço.
9 – Ponto pulmão do dorso da orelha: tratamento de alterações respiratórias e dermatites.

Localização: na parte central da orelha, mas por dentro do ponto baço.

 

 

Exemplos de tratamentos para Enfermidades mais comuns.

1 - Alergia: Pulmão, endócrino, occipital, supra – renal (extrair sangue do ponto correspondente), ponto de alergia.
2 – Amenorréia: Útero, endócrino, ovário, fígado,hipófise, rim, baço.
3- Ansiedade: Rim, shen – men, occiptal, coração, estomago, ansiedade.
4- Asma: S.N.V., shen – men, asma, supra renal, pulmão, brônquios, alergia.
5 – Artrite escápuo – umeral: Articulação do ombro, ombro, shen – men, clavícula, supra renal, shen – men.
6 – Bursite ombro: Articulação do ombro, occipital, shen – men, fígado.
7 – Cefaléias: Shen – men, subcórtex, adrenal, accipital, frontal, temporal, vétex.
8 – Ciática: Ciático, rim, shen – men, supra renal, glúteos, vesícula biliar, bexiga.
9 – Constipação: Intestino grosso, baço, pulmão, constipação, abdome, subcórtex.
10 – Diabetes: Pâncreas, fígado, rim, baço, endócrino, hipófise, shen – men, sede.
11 – Dismenorréia: útero, endócrino, ovário, hipófise, shen – men, fígado.
12 – Febre: Sangrar o ápice da orelha e do trago, hélix 1 a 6.
13 – Gastrite: Estômago, S.N.V, shen – men, baço, subcórtex.
14 – Gripe: Nariz interno, supra - renal, frontal, laringe, pulmão, brônquios.
15 – Hipertensão: Hipotensor, S.N.V, shen – men, coração, sangria no ápice, sangria no sulco hipotensor.
16 – Hipotensão: Coração, supra – renal, hipertensor, hipófise.
17 – Insônia: Shen – men, rim, occipital, coração, ansiedade.
18 – Lombalgia: Shen – men, musculatura lombar, baço, região lombar.
19 – Náuseas e vômito: Estomago, S.N.V, Shen – men, cárdia, occipital.
20 – Neuralgia do trigêmeo: Área da face, maxilar inferior e superior, shen – men, subcórtex.
21 – Obesidade: Shen – men, estomago, ponto fome, S.N.V, boca, baço, ansiedade.
22 – Paralisia facial: Área da face, occipital, olho, boca, subcórtex.
23- Rinite: Nariz interno, supra – renal, frontal, pulmão, alergia.
24 – Retenção urinária: Bexiga, rim, shen – men, triplo aquecedor.
25 – Rinorréia: Nariz externo, supra – renal, frontal, shen – men.
26 – Sinusite: Nariz interno, supra – renal, frontal, pulmão, shen – men.
27 – Soluço: Diafragma, estomago, shen – men, simpático.
28 – Tosse: Shen – men, supra – renal, laringe, occipital, pulmão.
29 – Vertigens, tonturas: Occipital, estomago, ouvido interno, shen – men, vertigens, fígado.
30 – Zumbidos: Rim, occipital, ouvido externa, ouvido interno, temporal, vesícula biliar.